• RMF

Sylvia Thereza faz recital único com violoncelista belga Alexandre Debrus na Sala Cecília Meireles,


Com apoio do governo da Bélgica e instituições nacionais e internacionais de fomento à cultura, pianista brasileira, radicada na Bélgica, vem ao Brasil para dar início a uma série de apresentações e ações sociais em prol da qualificação musical de excelência para jovens de comunidades desfavorecidas e seu devido ingresso no exigente circuito mundial da música de concerto

Quase um ano após o lançamento no Brasil de seu último CD “O Manifesto Romântico", a pianista carioca retorna ao país com apresentações em quatro capitais brasileiras e, desta vez, com uma bandeira social importante como pano de fundo: a qualificação de milhares de jovens de projetos sociais diversos através de um extenso programa de intercâmbio e atividades pedagógicas de excelência.

Após recitais solos em Goiânia (4/3) e Brasília (6/3), e com o violoncelista belga Alexandre Debrus em Fortaleza (7/3), Sylvia Thereza retorna a sua cidade natal, em duo com o consagrado músico belga, em apresentação única na Sala Cecília Meireles, na quinta-feira, dia 12.

Desta vez, a pianista não irá apenas interpretar obras de Schumann, Brahms, Rachmaninoff e Schostakovich.

Com o apoio e parceria de robustas instituições nacionais e internacionais (entre elas o Instituto Kodaly, da Hungria) e conceituados artistas do cenário internacional, a pianista está trabalhando para a realização do programa “Mestres em Residência”.

O programa “Mestres em Residência” irá estabelecer um intercâmbio consistente e programático entre renomados músicos, sólidas instituições europeias e inúmeros projetos sócio-artísticos, buscando treinar e qualificar mais de 24 mil jovens, inicialmente, em diversas cidades do país.

Sylvia Thereza

Além de beneficiar os alunos, a idéia também é proporcionar aos professores e monitores dos projetos sociais - contemplados com o programa - um intercâmbio visando a evolução de suas habilidades, sensibilidade artística e ampliando suas perspectivas de futuro. Como de praxe em todos os seus concertos pelo mundo, haverá uma cota de ingressos para alunos de escolas públicas e projetos sociais.

Participando com Sylvia Thereza de parte da sua turnê, o belga Alexandre Debrus, celebrado violoncelista na Europa e que teve entre seus mestres Rostropovich e Mischa Maisky, é um dos músicos já confirmados no programa.

Até o final de Março, Sylvia volta a se apresentar no Rio de Janeiro (22/3, com a Orquestra Petrobrás Sinfônica como solista convidada) e em São Paulo (dia 15/3, em recital solo).

Mas não é de hoje que a notável pianista do Rio de Janeiro vem atuando na educação e qualificação de crianças e jovens desfavorecidos.

Alexandre Debrus

Como parte de seu compromisso social e filosofia musical, Sylvia foi co-autora, no Rio de Janeiro, de um projeto pioneiro que introduziu a música clássica para mais de 12.000 crianças oriundas deste extrato social e que teve como madrinha a atriz Malu Mader.

Apesar de ter se apresentado nas mais importantes salas do mundo e ensinado, ao lado de Maria João Pires, na mais seletiva escola para solistas internacionais da Europa - A Chapelle Musicale Reine Elisabeth, Sylvia se mantêm conectada e engajada com nossas crianças. Na Bélgica, é co-fundadora e diretora artística da Associação Uaná- Association for the Arts, instituição que visa reunir artistas para esse fim: o de produzir arte com a missão de colaborar com projetos sociais.

Através da Uaná, vem proporcionando cultura e rompendo barreiras sociais para crianças necessitadas e deficientes, unindo para isso grandes nomes do mundo artístico e valiosos educadores, através de projetos de educação musical, concertos, exposições e discos.

SYLVIA THEREZA, Piano

Com uma vasta experiência como solista e camerista, tendo estudado com renomados nomes do cenário mundial, Sylvia logrou atingir desde cedo um notável grau de maturidade pianística. Mestres como Maria da Penha, Myrian Dauelsberg, Bella Davidovich, Allan Weiss e Maria João Pires (de quem foi professora assistente na Chapelle Musicale Reine Elisabeth na Bélgica, e em Workshops ao redor do mundo) lhe proporcionaram a cultura artística que lhe permitiu despontar no cenário internacional.

Já se apresentou em importantes salas de quase todos continentes tendo atuado como solista de importantes orquestras e regentes. Foi premiada na “Edição Martha Argerich” do Concurso Internacional de Piano de Vigo, na Espanha em 2019 que teve Martha Argerich, Nelson Freire, Tamas Vasary e Sergio Tiempo no júri.

ALEXANDRE DEBRUS, Violoncelo

Nascido na Bélgica, Debrus é filho de músicos tendo recebido de sua mãe violoncelista as primeiras orientações aos 4 anos de idade. Posteriormente estudou com mestres do quilate de Rostropovich, Mischa Maisky, Luc Dewez, Marc Drobinsky e YvanMonigheti. Sua discografia compreende 21 CDs como solista e camerista para selos como Pavane Records, EMI Classics, RCA Victor Red Seal (BMG)e Warner Classics. Recentemente gravou sob o selo Pavane Records as 6 CelloSuites de Johann Sebastian Bach para violoncelo solo, bem como os Trios 1 e 2 de Félix Mendelssohn Bartholdy, como membro do Trio Carlo van Neste. Além das várias bolsas de estudo que lhe foram conferidas, foi agraciado com diversos prêmios dentre os quais o primeiro prêmio da competição "Mathilde Horlait Dapsens".

Alexandre foi vencedor da bolsa de 2004 da "Fundação Belga de Vocação (VOCATIO) e recebeu em 2007 o título de cidadão honorário da cidade de Nagakute no Japão. Entre 1999 e 2006, foi nomeado professor de música de câmara do "Conservatório Real de Música de Bruxelas". Tem atuado regularmente como solista e camerista em países como Bélgica, França, Suíça, Alemanha, Sérvia, Itália, Espanha, Grécia, Estados Unidos, Rússia, Argentina, Japão, China e Israel.

Como professor é sempre convidado para dar aulas em diversos festivais em vários países. Em 2020, recebeu o Troféu Fuga, concedido uma vez por ano pela União de Compositores Belgas aos artistas que se dedicam à música contemporânea no País. Se apresenta com um violoncelo construído por Georges Heynberg em Liège no ano de1934 denominado de "Pégasus" e também com outro do luthier Jan Strick (Bruxelas 2004) denominado "Alexandre".

SERVIÇO:

12/03, quinta-feira – Sylvia Thereza (piano) e Alexandre Debrus (violoncelo) Sala Cecília Meireles

Endereço: Largo da Lapa, 47

Telefone: 21 2332-9223

Horário: 19h

Programa: Schumann, Brahms, Rachmaninoff e Shostakovich.

Ingressos: R$ 40,00 (inteira) e R$ 20,00 (meia)

Locais de venda: Bilheteria da SCM - Segunda a sexta de 13h às 18h ou até Início do concerto e ingressorapido.com.br

Capacidade da sala: 670 lugares

Site: http://salaceciliameireles.rj.gov.br

Acessibilidade para deficientes físicos

PROGRAMA: 1h30 com intervalo

SCHUMANN – Fantasiestucke op. 73

BRAHMS – SONATA op. 38, em Mi menor

RACHMANINOFF – VOCALISE op. 34, n.14

SCHOSTAKOVICH – SONATA op. 40

Por Fábio Cezanne - RJ

Cezanne Comunicação - Assessoria de Imprensa em Cultura e Arte

Colaborador na RMF

#Romântico #Manifesto #SylviaThereza

12 visualizações

   ®2020 by Revista Mundo da Fama On Line